QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

-->

“Estude a si mesmo, observando que o autoconhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz.” André Luiz

A ciência da Paz…

Enviado em 1 de junho de 2015 | No programa: | Escrito por José Augusto Pinheiro | Publicado por Juliana Chagas

Bandeira branca

Em justa atenção ao convite da gentil professora Nelly Martins Ferreira Candeias, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, no dia 18 de maio eu fui à sede da organização localizada nas imediações da Praça da Sé, centro de São Paulo. O prédio de sete andares, inaugurado em 1954, abriga harmoniosamente décadas de cultura, heroísmo, reconhecimento e memória paulistana. Com 120 anos de existência, o Instituto possui, por exemplo, o maior acervo de livros sobre a Revolução Constitucionalista de 1932.

Na feliz ocasião, Nelly e o vice-presidente José Carlos de Barros Lima colocaram-me a par da existência do Conselho da Cultura da Paz, criado no início de 2014; o objetivo principal é o de promover a não-violência nos conflitos de natureza social e cultural. As Nações Unidas norteiam esse trabalho, desenvolvido com extremo amor fraternal por mentes brilhantes e corações nobres. Encantou-me cada segundo das duas horas que permaneci no local.

Em absoluto contraste com essa microrrealidade, deparei com centenas de pessoas nas estações do metrô correndo de um lado para o outro, ‘atropelando’ as catracas e perseguindo alguma meta individual – sempre contra o relógio. O que cada um estaria pensando naquele momento? Seria possível encontrar a paz naquele ambiente de desenfreada busca pelo imediato? Onde nasce a paz?

De tempos a esta parte, eu pratico a audição ativa e presto mais atenção ao mundo que me cerca. As gerações passadas, as futuras e a atual tiveram, terão e têm a paz como senso comum de uma vida coletivamente possível. Mas a paz parece estar sempre longe, utópica, inatingível.

Essa verdadeira ciência, a paciência, representa o nascedouro da Paz Mundial. O planeta pode estar superaquecido em seus ânimos – como, aliás, sempre esteve -, mas ainda restará esperança à humanidade caso cada um de nós ao menos busque a Paz Interior… Não existe tesouro mais valioso.

 

Foto ilustrativa: http://www.freeimages.com/

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

Deixe seu comentário:

WhatsApp