QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

-->

“Estude a si mesmo, observando que o autoconhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz.” André Luiz

A Intolerância Religiosa

Enviado em 12 de abril de 2016 | No programa: Rádio Revista André Luiz | Escrito por Maria Izilda Netto | Publicado por Juliana Chagas

Mãos unidas em sinal de preceA intolerância religiosa é algo mais comum do que se pensa. É um termo que descreve a atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade de reconhecer e respeitar diferenças ou crenças religiosas de outros.

As pessoas por não conhecerem os costumes das diversas religiões acabam criticando e julgando sem conhecer.

A maioria dos grupos religiosos já passou por tal situação numa época ou em outra.

Um exemplo dessa intolerância na Antiguidade é a perseguição dos primeiros cristãos. Continuou a existir ainda antes do fim do Império Romano; recrudesceu durante a Idade Média; passou pelo século XIX e atingiu níveis nunca vistos antes na história da Humanidade no século XX.

A intolerância religiosa foi, no processo histórico, a maior causadora das guerras entre nações, tanto que vários países do mundo incluíram cláusulas em suas constituições proibindo expressamente a promoção ou prática de certos atos de intolerância religiosa ou de favorecimento religioso dentro das suas fronteiras.

No Brasil, com o crescimento da diversidade religiosa, foi verificado um aumento dessa intolerância, tendo sido criado até mesmo o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa – 21 de Janeiro.

Na legislação brasileira, há vários dispositivos que condenam a discriminação religiosa. O artigo 208 do Código Penal diz: “Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”. – Pena: detenção de um mês a um ano ou multa. Parágrafo único – “Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência”.

O que o Espiritismo nos oferece para uma melhor interpretação do tema?

O que significa a palavra tolerância? E respeito? Tratamos o próximo da mesma forma que gostaríamos de ser tratados? Somos severos para com os outros e indulgentes para conosco ou severos para conosco e indulgentes para com os outros?

Tolerância – do latim tolerantia, do verbo tolerare que significa suportar, tolerar. É uma atitude de respeito e de compreensão com os pontos de vista dos outros.

Respeito – do latim respectus, de reespicere que significa olhar. Sentimento de consideração

àquelas pessoas ou coisas dignas de nossa veneração e gratidão, como aos pais, aos mais velhos, às coisas sagradas, aos sentimentos alheios etc.

A palavra tolerância relaciona-se com o substantivo “respeito” e o verbo “suportar”. Consequentemente, devemos não somente respeitar como também suportar o próximo e a nós mesmos.

Quantas não são as vezes que pensamos estar agradando aos outros e não percebemos o elevado grau de grosseria, hostilidade e autoritarismo que lhes causamos. Eles acabam nos aturando porque não têm outra saída. É o caso do relacionamento entre o funcionário e o seu chefe. Se não lhe obedecer, estará sujeito a perder o emprego.

Dessa forma, a tolerância obriga-nos a respeitar a regra de ouro: “Não fazer aos outros o que não gostaríamos que nos fizessem”. Evitar fazer mal aos outros, entretanto, é uma atitude meramente passiva.

O respeito, ao contrário, carrega uma polaridade ativa: ”Fazer ao próximo o que gostaríamos que nos fizessem”, o que leva ao “Amar ao próximo como a nós mesmos”.

De acordo com Aristóteles, enquanto o respeito constitui uma virtude que nunca pode pecar por excesso, porque quanto mais respeito se tem mais se ama, a tolerância é o exemplo de uma virtude que se praticada em excesso, resulta em indiferença, e, em falta, traz o sabor da intolerância.

A Lei de Justiça, Amor e Caridade ajuda a compreender a tolerância, porque a sua base está calcada na figura de Cristo. Foi Ele que nos passou todos os ensinamentos de como amar ao próximo como a nós mesmos.

Numa Casa Espírita, o respeito ao próximo deve ser praticado com cada colaborador.

O Espiritismo, entendido como ciência, filosofia e religião, é o que mais subsídios nos dá para respeitar as crenças e os comportamentos do nosso próximo. Isto porque, “quanto mais o ser humano sabe, melhor compreende os comportamentos humanos, desarmando-se de idéias preconcebidas, da censura sistemática, dos prejuízos das raças, de castas, de crenças, de grupos”.

A frase atribuída a Voltaire, exemplifica bem esse tema: “Não concordo com nada do que você diz, mas defenderei o seu direito de dizê-lo até o fim”.

 

Foto ilustrativa: freeimages.com

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

Deixe seu comentário:

WhatsApp