QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

-->

“Estude a si mesmo, observando que o autoconhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz.” André Luiz

As rosas e o tempo não falam

Enviado em 3 de agosto de 2015 | No programa: | Escrito por José Augusto Pinheiro | Publicado por Juliana Chagas

Rosas brancas

Convidado por dois novos amigos para fraterno almoço em São Miguel Paulista, no sábado, dia 25, eu tive a oportunidade de caminhar com eles por cerca de 800 metros, visitando o completo e bem organizado comércio do bairro. Foi maravilhoso conversar por cerca de 90 minutos com os profissionais que fazem do sorriso e do bem-servir a sua filosofia de vida.

No dia seguinte, após visitar a Casa Perseverança, no Jardim Anália Franco, eu e a família nos dirigimos ao Paraíso – o bairro. Nós ficamos ao lado da tia Maria, que reside em famoso logradouro, e a seguir eu fui caminhar de mãos dadas com a minha eterna namorada na mais paulista das avenidas da capital.

Se na véspera eu percorri ruas que exalavam ares do comércio, agora eu estava diante de prédios, pessoas e símbolos que traduziam história e, principalmente, rica cultura. O olhar foi muito diferente das ocasiões anteriores em que percorri a Paulista – sempre envolvido emocionalmente com compromissos profissionais.

Nós conhecemos a Casa das Rosas, onde pudemos nos sentar em cadeiras confortáveis na sacada do prédio, e observamos gigantesca gravura em cores vibrantes com o rosto do arquiteto Oscar Niemayer. Mas o destaque ficou por conta da mostra sobre o cantor e compositor Elomar Figueira Mello (1937).

Atendido pelo monitor-jornalista Leandro, eu utilizei um fone de ouvido para escutar mensagem de Elomar acerca de precioso bem: “O tempo dos homens, o cronológico, é medido de segundo em segundo; o Tempo de Deus é contado de eternidade em eternidade”.

Nesse dia, de fato, o tempo transcorreu de forma diferente. O almoço, às 16h, destoou da rotina que me absorve sem oferecer justa contrapartida. Naquele domingo na Paulista – com lenço e com documento, mas sem celular – eu não quis ver ou sentir o tempo passar.

E o cantor anônimo, com voz idêntica à de Caetano Veloso, ofereceu o toque do mestre Cartola para aquele doce fim de tarde: “Bate outra vez, com esperanças o meu coração… As rosas não falam, simplesmente exalam o perfume que roubam de ti.”

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

Deixe seu comentário:

WhatsApp